Se não der pra ser insubstituível, seja inigualável

A moral da historia de Andrés nos diz que não devemos nos concentrar unicamente em nossos próprios objetivos. Porque quando fechamos os olhos e construímos barreiras, nos isolamos do mundo. Ninguém é insubstituível!

Esta fábula é sobre um  contador excepcional, um jovem brilhante e ambicioso, para quem sua vida profissional veio primeiro.

Depois de concluir seus estudos com excelentes notas, ele foi recomendado por seus professores e começou a trabalhar como assistente em uma empresa de renome.

O bom Andrés foi o primeiro da manhã no trabalho e à noite o último que saiu do seu escritório. Ele dedicou seu coração e alma à companhia e foi completamente absorvido em seu trabalho.

Seu objetivo era aprender o máximo possível, ser eficiente e insubstituível para a empresa Portanto, ele não poupou esforços e investiu todo o seu tempo em seu trabalho.

Devido à sua motivação, Andrés obteve excelentes desempenhos e, portanto, foi promovido por seu chefe após um curto período de tempo. Mesmo em sua nova posição, ele foi  muito positivo e empenhado!

Além de seus deveres, ele continuou a se educar através de literatura especializada e aprendeu novos métodos para se tornar ainda mais eficiente. Ele também foi muito apreciado por seus colegas por seus esforços incansáveis.

Se não der pra ser insubstituível, seja inigualável

Nova responsabilidade

As incríveis virtudes do jovem foram elogiadas por todos. Apenas dois anos após a adesão, o conselho executivo da empresa decidiu nomear Andrés como chefe de departamento.

Ninguém era superior a ele para assumir essa tarefa, todos concordaram. Ele merece e a contabilidade da empresa está em boas mãos.

Quando Andrés assumiu essa posição sênior, ele se concentrou ainda mais em seu trabalho, para não cometer erros e ser insubstituível. Ele trabalhava obsessivamente 12 horas por dia. Mas ele gradualmente desenvolveu medos inexplicáveis , acreditando que ele estava sendo usado por outros para o seu trabalho.

Ele tinha trabalhado duro em sua reputação e salário como chefe de departamento, mas é claro que outros também estavam buscando essa posição. Como resultado, Andrés tornou-se cada vez mais desconfiado, o que acabou evoluindo para uma doença.

Seu papel como líder foi, entre outras coisas, atribuir e elogiar o trabalho de outros. Mas ele teve problemas consideráveis ​​com isso. Ele foi incapaz de mostrar aos outros como ser mais eficiente e fazer um trabalho melhor.

Por quê? Andrés não queria dar demasiada informação aos seus empregados porque temia que pudessem ser melhores do que ele  e viu a sua posição ameaçada. Após um curto período de tempo, ele não foi mais solicitado por conselhos.

Mudanças inesperadas

No início,  tudo continuou satisfatoriamente para o aspirante a chefe do departamento. Mas então Juan apareceu.

Algum tempo depois de Andrés assumir sua posição de liderança, o CEO da empresa pediu-lhe pessoalmente que treinasse Juan.

Este jovem se tornaria sua mão direita, porque estava claro que Andrés estava sobrecarregado e estressado. Mas a nova situação era especialmente difícil e desagradável para ele.

Como de costume, Andrés não deu muita explicação ao seu novo colega Juan e não o ajudou com o treinamento. Juan notou isso, mas não insistiu.

Ele estava ocupado  conhecendo seu trabalho e usando seus funcionários para atingir os objetivos da empresa.De vez em quando, ele fazia perguntas e fazia sugestões para melhorar as coisas. Ele teve um bom desempenho e foi capaz de corrigir os erros rapidamente.

Mais anos se passaram antes que o conselho anunciasse que escolheria um novo diretor administrativo. Andrés, que vinha trabalhando em questões relevantes para a empresa durante anos, achou que seu grande momento finalmente chegara.

A decisão foi cuidadosamente preparada e, no final, só restavam dois candidatos: Andrés e Juan.

A moral da história: ninguém é insubstituível!

Contra todas as previsões, Juan foi eleito o novo CEO. Andrés não podia acreditar. Nenhum empregado era tão eficiente quanto ele.Ele simplesmente não conseguia entender por que ele não havia sido escolhido para este post.

No entanto, o conselho afirmou que ele era insubstituível como chefe do departamento de contabilidade. Ninguém poderia fazer um trabalho melhor do que ele, então ele tem que ficar nessa posição.

Em uma data posterior, a equipe de contabilidade foi convidada para um curso de treinamento. Andrés queria participar, mas não deveria ter a oportunidade.

Desde que ele se afogou em tarefas e responsabilidades e trabalhou doze horas por dia, era impossível para ele gastar bastante tempo no curso.

Neste treinamento, novas formas de trabalhar e novos softwares foram explicados. Como Andrés não pôde comparecer, ele não sabia disso. Cometeu erros cada vez mais e não conseguiu se adaptar às mudanças. Agora ele estava esperando a ajuda de sua equipe.

Além disso, o novo software foi  capaz de executar automaticamente várias tarefas nas quais Andrés se especializou. No entanto, desde que ele estava na empresa por um longo tempo, ele não foi demitido, mas recebeu uma posição inferior.

A moral desta fábula nos ensina: ninguém é insubstituível e a obsessão acaba por deixá-lo doente. Pode nos cegar e tornar o que mais tememos uma realidade.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top